O custo total da manutenção

Home/Destaque/O custo total da manutenção

O custo total da manutenção

Quando começamos a trabalhar com indicadores, e aprendemos a escolher os poucos realmente importantes, muitas coisas começaram a mudar – para melhor.

Paramos de cobrar tudo, de todos, todo o tempo,

e passamos a utilizar os indicadores vitais como se fossem contratos de gestão entre chefes e subordinados.

À medida em que os ITENS DE CONTROLE eram levados a sério – apresentados mensalmente, projetados para o futuro, os desvios sendo examinados com responsabilidade – foram também aparecendo excessos que, discutidos com profundidade, acabaram por nos dar uma visão mais abrangente e realista dos nossos processos.

CUSTO DE MANUTENÇÃO foi um destes casos. O pessoal de produção tinha passado a cobrar custos cada vez menores dos seus fornecedores internos – e o pessoal da manutenção era impiedosamente pressionado a baixar os custos, sem ter como mostrar que o custo zero era impossível ou caríssimo…
Surgiu então uma forma de raciocínio (teria sido um japonês?) que reequilibrou forças nesta discussão.

 

Para continuar lendo, clique aqui.

 

Autor: Claus Süffert

Em Novembro de 1996, Claus Süffert plantou uma semente chamada Quality Inn, germinada pela sua experiência profissional em empresas de grande porte, como os 5 anos em que trabalhou na Petrobrás e a sua carreira de 25 anos no Grupo Gerdau. Foi durante esse período na Gerdau que teve seu primeiro contato com os conceitos de Gestão da Qualidade Total, método que futuramente serviria de base para a sua própria empresa.

2018-09-13T13:35:44+00:00 13 / set / 2018|Destaque|