Motivação das equipes: uma teoria

Home/Destaque/Motivação das equipes: uma teoria

Motivação das equipes: uma teoria

Quando descobrimos e nos entusiasmamos com a QUALIDADE TOTAL, nosso enfoque era baseado em princípios claramente técnicos: primeiro o mais importante, fatos & dados, foco no cliente, agir sobre causas…

Aprendemos depois, também com o Falconi, a importância da obra do filósofo Abraham H. Maslow, que em meados do século passado aportou importante enfoque humano sobre as teorias estatísticas de Deming.

Mexia com o lado direito do cérebro, arredondava arestas do enfoque lógico-matemático do TQC até então.

Das lições de Maslow – como as percebemos – nos ficaram lembranças permanentes, no que diz respeito à motivação humana:

  1. Nosso estado natural é de insatisfação (ou de neutralidade). Por vezes temos impulsos de satisfação. O nível de nossa motivação é o resultado da frequência e da amplitude destes pulsos.
    • Aprendizado: para manter uma pessoa satisfeita, nunca podemos deixar de lhe ministrar doses controladas de impulsos de satisfação!
  1. Estes pulsos de satisfação ocorrem quando resolvemos problemas relativos às 5 camadas de necessidades básicas, caracterizadas por Maslow:
    Bem em baixo – necessidades fisiológicas – como fome, sono…
    Logo acima – necessidades de segurança – de manutenção do emprego, do patrimônio…
    Depois – necessidades sociais – ser aceito pelo grupo familiar, por amigos…
    Acima desta – necessidades de autoestima – ser livre, independente, reconhecido, destacado…
    E, bem no alto – necessidades de auto realização – realização do seu próprio potencial, poder trabalhar no que é de sua vocação, autodesenvolvimento.Repetindo, de baixo para cima: necessidades fisiológicas, de segurança, sociais, autoestima e auto realização.

Continue lendo, clique aqui.

 

Autor: Claus Süffert

Em Novembro de 1996, Claus Süffert plantou uma semente chamada Quality Inn, germinada pela sua experiência profissional em    empresas de grande porte, como os 5 anos em que trabalhou na Petrobrás e a sua carreira de 25 anos no Grupo Gerdau. Foi durante esse período na Gerdau que teve seu primeiro contato com os conceitos de Gestão da Qualidade Total, método que futuramente serviria de base para a sua própria empresa.

2018-04-09T10:56:47+00:00 9 / abr / 2018|Destaque|