Como explicar a um marciano

Home/Destaque/Como explicar a um marciano

Como explicar a um marciano

Colocar um aviso como TRECHO SUJEITO A NEBLINA, numa estrada, é tão importante quanto alertar que EM CASO DE PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Stanislaw Ponte Preta era o pseudônimo de um cronista que viveu no Rio de Janeiro, na segunda metade do século passado ele criou a expressão FBAP – Festival de Besteiras que Assola o País.

Semanalmente trazia casos do dia a dia, que eram simplesmente ridículos, mas com os quais estávamos acostumados a conviver…

Imagine ter que explicar a um marciano porque aceitamos conviver com ícones coletivos da não qualidade, como:

ELEVADORES: de norte a sul, leste a oeste, em todo o país, todas as portas de elevador tem, ao lado, importantíssimo alerta, advertindo que precisamos ter certeza de que o elevador está na nossa frente, antes de entrar no mesmo. Falta total de bom senso, mas policiada com extrema competência. Descubra um elevador que, em um dos andares, não tem o fantástico aviso. Me avise, se encontrar.

PARDAIS: velocidade máxima, nas estradas, deveria, simplesmente, ser obedecida. No Brasil, se existe um pardal, este deve ser avisado de forma perfeita, e de modo que o infrator possa diminuir a velocidade e evitar a multa. Como resultado, basta andar dentro da lei no trecho coberto pelo alcance dos pardais. Claro que não corresponde nem a um milésimo das nossas seguras rodovias, onde tão poucos acidentes ocorrem. A palavra ocorrer é especialmente adequada.

POSTOS DE CONTROLE DA POLÍCIA RODOVIÁRIA: a velocidade permitida (pelas placas) é ridícula, e portanto ninguém a obedece. Não precisando obedecer à sinalização de segurança defronte ao posto policial… vou obedecê-la mais adiante, numa curva perigosa?

Para continuar lendo, clique aqui.

Autor: Claus Süffert

Em Novembro de 1996, Claus Süffert plantou uma semente chamada Quality Inn, germinada pela sua experiência profissional em empresas de grande porte, como os 5 anos em que trabalhou na Petrobrás e a sua carreira de 25 anos no Grupo Gerdau. Foi durante esse período na Gerdau que teve seu primeiro contato com os conceitos de Gestão da Qualidade Total, método que futuramente serviria de base para a sua própria empresa.

2018-02-05T09:42:41+00:00 5 / fev / 2018|Destaque|