Economia brasileira dá sinais de recuperação, mas incertezas políticas podem comprometer retomada, alerta CNI

Home/Sem categoria/Economia brasileira dá sinais de recuperação, mas incertezas políticas podem comprometer retomada, alerta CNI

Economia brasileira dá sinais de recuperação, mas incertezas políticas podem comprometer retomada, alerta CNI

Novas estimativas mostram que economia brasileira terá um crescimento de  0,3% neste ano. A  indústria crescerá 0,5%
Depois de dois anos consecutivos de forte recessão, a economia brasileira começa a dar sinais  de recuperação. A expansão da agropecuária e das exportações, a queda da inflação, a redução dos juros e o ajuste dos estoques da indústria devem ajudar a consolidar o crescimento no segundo semestre, avalia a Confederação Nacional da Indústria (CNI) no Informe Conjuntural do segundo trimestre, divulgado nesta sexta-feira (7).
No entanto, a CNI adverte que incertezas políticas, o atraso na agenda das reformas e o risco de o país não consolidar o ajuste fiscal no longo prazo ameaçam a retomada do crescimento.  "A confiança dos agentes – empresários e consumidores – foi afetada, interrompendo a tendência de recuperação, com possíveis impactos nas decisões futuras de consumo e investimentos. Há também sinalizações do Banco Central de que o ritmo de queda dos juros poderá ser amenizado em função do novo quadro", diz o Informe Conjuntural.
Diante disso, a CNI revisou para baixo as estimativas para o desempenho da economia e da indústria neste ano. A previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país caiu do 0,5% estimado no primeiro trimestre para 0,3% agora. A estimativa de crescimento do PIB industrial baixou de 1,3% para 0,5%. Caso a previsão se confirme, será o primeiro resultado positivo da indústria desde 2013. Essa expansão será liderada pela indústria extrativa, com crescimento de 8%. A indústria de transformação crescerá 0,9% e a da construção terá uma queda de 2,3%. O setor de serviços industriais de utilidade pública, que inclui as distribuidoras de energia, crescerá 1,9%.
A perspectiva do primeiro trimestre de que os investimentos aumentariam 2% também não se confirmará. A nova previsão da CNI é de uma queda de 2,7% nos investimentos em 2017. "O menor investimento também está ligado ao ambiente de incertezas – provocado pela turbulência política e a dificuldade de se aprovar agendas importantes no Congresso Nacional", avalia o Informe Conjuntural. O estudo estima ainda que o consumo das famílias terá uma leve alta de 0,1% e a taxa média de desemprego continuará elevada e ficará em 13,5%.
OUTRAS PREVISÕES DA CNI PARA 2017:
Inflação – O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projetado para dezembro (acumulado em 12 meses) é de 3,6%, abaixo do centro da meta de 4,5% fixada pelo governo. A queda da inflação é resultado da redução dos preços dos alimentos e da forte retração do consumo. A CNI considera que a redução das metas de inflação para 4,25% em 2019 e para 4% em 2020 é positiva. Além de se alinhar aos padrões internacionais, a revisão das metas contribui para o controle da inflação "de forma mais célere e menos custosa", pois ancora as expectativas em níveis mais baixos. Mas o alcance dos resultados depende do comprometimento das autoridades com a situação fiscal e da transparência e credibilidade do Banco Central, diz a CNI.
Juros – A taxa básica de juros deve fechar o ano em 8,5% ao ano.
Balança comercial – Com a cotação do dólar na casa dos R$ 3,30 e os preços das commodities acima dos de 2016, as exportações brasileiras crescerão 11% e alcançarão US$ 205 bilhões neste ano. As importações crescerão 7% e fecharão o ano em US$ 147 bilhões. O saldo comercial ficará em US$ 58 bilhões.
Contas públicas – O setor público vai encerrar o ano com um déficit primário de R$ 141,7 bilhões, equivalentes a 2,1% do PIB, dentro da meta de R$ 143,1 bilhões fixada para o ano.  A dívida bruta do setor público subirá para 74,3% do PIB. Em 2016, a dívida pública foi de 69,9% do PIB.
Fonte: Portal da Industria
Foto: Divulgação
Enfato Multicomunicação
(51) 30-261-261
imprensa@qualidade-rs.org.br
www.enfato.com.br
* O conteúdo deste texto é de inteira responsabilidade da fonte citada, a quem corresponde a origem das informações nesta matéria.

2017-07-10T00:00:00+00:00 10 / jul / 2017|Sem categoria|